santafe.gob.ar/noticias

O plano “ Volto A Estudar” foi premiado como o melhor programa de inclusão sócio-educativa da América Latina

A honraria foi entregue na Guatemala, na terça-feira passada, à representante do Ministério da Educação da província. O encontro foi organizado por REDUCA.

Jueves 13 de octubre de 2016 A Ministra da Educação da província, Claudia Balagué, recebeu na terça-feira passada, o reconhecimento público pelo Plano “ Volto a estudar”, como a melhor prática inovadora no plano da inclusão educativa de Latino- América.

O prêmio foi concedido no marco do Seminário Internacional: “ Retenção e permanência escolar na América Latina”, organizado pela REDUCA na Antígua Guatemala, no departamento de Sacatepéquez.

Na oportunidade, Balagué manifestou que, “O Plano volto a estudar”, representa de forma perfeita, as políticas educativas na província, com um Estado presente, que atinge o território com grande contundência, para conseguir que todos os jovens possam voltar à escola, nas melhores condições e garantindo suas aprendizagens”.

Nós acreditamos que, este plano nos permite garantir um direito fundamental, como é o direito à educação, a quem consideramos como a mãe de muitos outros direitos, porque, desta forma, o cidadão é capaz de construir uma vida digna, um trabalho decente e um projeto de vida individual e coletivo”, acrescentou a ministra.

Além do mais, a funcionária provincial assinalou que, “este plano representa os pilares básicos de nossa política educativa na província de Santa Fe: inclusão sócio educativa, qualidade educativa e a escola como instituição social, semelhante a uma rede, articulada com os outros atores do território, com a comunidade,, com a família, com as organizações não governamentais, com os governos locais, para que todos nos envolvamos ativamente na incorporação das crianças na inclusão e na qualidade das aprendizagens”, precisou.

A respeito da distinção recebida, Balagué lembrou que, “participaram centenas de projetos e programas, dos 14 países que tomam parte de REDUCA, os quais foram avaliados por jurados reconhecidos. Foi com muita emoção que nós percebemos como, o programa, chamou a atenção, a forma em que logramos escalar todas as dificuldades e chegar a grande quantidade de jovens de nossa província e de nosso país”.

Além disso, a titular da carteira educativa destacou, “ como foi possível desenvolver a virtualidade com um programa inovador, que trabalha partindo de projetos sócio comunitários; como motivamos a uma grande quantidade de jovens e adultos que tiveram a oportunidade de completar sua escolarização de Nível Médio”.

Logo depois, a ministra considerou que o prêmio constitui, “uma carícia suave para a alma, para todos os que fizeram um enorme esforço que nos permitiu levar em frente este programa, para que milhares de jovens estejam, novamente, no caminho da educação, e assim possam ter um projeto de vida”.

Finalmente, Balagué reivindicou o debate, que é implementado para a construção de uma lei de Educação na província, o qual vai permitir a inclusão de uma maior quantidade de cidadãos: “Conseguir uma lei que vai nos possibilitar plasmar políticas públicas a médio e longo prazo. Estamos construindo uma lei de maneira participativa, que vai nos permitir diminuir as desigualdades sociais, que dão origem a grandes problemas na América Latina”.

“ Estamos convencidos que desde a educação podemos contribuir para a construção de uma sociedade mais justa e solidária, para nossas crianças e jovens, oferecendo-lhes, aos adultos uma nova oportunidade para se incorporar à sociedade”, concluiu a funcionária.

PLANO VOLTO A ESTUDAR
Desde o ano 2013 a província desenvolve o plano, “Volto a estudar”, uma ação de inclusão sócio educativa dirigida a jovens e adultos que, por motivos diferentes não tenham concluído sua formatura de Nível Médio.

O Plano “ Volto a estudar”, consiste na procura, no seus lares, dos jovens para que possam completar o Nível Médio. Desenvolve uma série de estratégias que tendem a conseguir que os estudantes retomem, permaneçam e se formem na escola de Nível Médio, fazendo foco na apropriação e construção de aprendizagens que possibilitem um novo projeto de vida.

As equipes multidisciplinares da província, junto a municípios e comunas, procuram casa por casa os cidadãos que não concluíram a escolaridade média, para assim desenhar uma estratégia que lhes permita voltar a estudar.

Enquanto isso acontece, as escolas geram um espaço motivador e trajetórias educacionais de qualidade, prestando atenção de forma especial à realidade da vida de cada um e fortalecendo o vínculo com os demais estudantes e com a escola.

De forma simultânea um grupo de conselheiros, referentes dos jovens que voltam a estudar, os acompanha fora da escola, para contribuir a evitar os inconvenientes que apareçam em sua escolarização.

Utilizando os elementos virtuais de aprendizagem vai se amplificando o alcance do programa, com uma iniciativa inédita e inovadora de cursado semipresencial destinada a estudantes maiores de 18 anos. A proposta que contempla o acompanhamento de docentes tutores, implica uma parte do cursado de forma virtual e encontros presenciais em sedes territoriais, nas proximidades do lugar de residência dos estudantes.

Ainda assim, implementa-se uma estratégia de inclusão sócio educativa destinada de forma específica a trabalhadores do Estado, empresas e grêmios, que somam um cursado flexível, onde se respeita a carga horária laboral.

Até a atualidade, há 10.615 estudantes que cursam seus estudos através do “Volto a Estudar” territorial; enquanto que aproximadamente 3200 pessoas o fazem de forma semipresencial e 594, através da modalidade, “Tempo de superação”.

PRESENTES
Participaram da cerimônia de premiação, a secretária de Planificação e Articulação Educativa, Carina Gerlero; e a coordenadora provincial do Plano Volto a Estudar, Susana Copertari.